Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Baseado na mitologia de Sagitário, A voz do arqueiro é uma história sobre o poder transformador do amor.
Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar. Quando chega à pequena Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar.
Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.
Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de uma mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória de um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.
Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar.


Oi gente! Como estão?

Eu estou muito bem! O ano de 2016 começou complicado para mim em relação as leituras. Poucas coisas aguçaram meu interesse, e por isso resolvi reler vários livros que amo.

O primeiro que vou contar a vocês é A Voz do Arqueiro da autora Mia Sheridan. Ele faz parte da série os signos do amor, que está sendo publicada aqui no Brasil pela editora Arqueiro.


A voz do Arqueiro é o primeiro livro da série e o primeiro a ser publicado no Brasil, diferente do exterior, que foi a quarta a publicação. Ele começa contando a história um pouco confusa da Bree Prescott. Ela é uma mulher que está fugindo de sua vida. Tentado deixar para trás feridas, velhos hábitos, e conhecer outros lugares e pessoas. É assim que ela acaba chegando a pequena cidade de Pellion. – Esse é o tipo de lugar que sonho em morar, de verdade. Quero algo pacato, pequeno, com lagos, paisagens, com pessoas acolhedoras e ar puro! – E Bree também quer tudo isso!

Dá para realmente sentir a tristeza na voz da Bree descrevendo Pellion, sua casa, o lago, conhecendo seu novo lar.

Logo que ela e Archer se encontram, Bree sente algo de peculiar. Um sentimento estranho. Uma vontade louca de saber mais sobre o homem que vive isolado de tudo e todos. Que aparentemente não tem família, não tem amigos.

Quando ela se arrisca conhecer novos lugares, ela fica sabendo onde o Archer mora. De alguma forma, ela caba entrando na propriedade de Archer, e se encanta. Porque apesar da propriedade ser simples, é muito bem tratada e cuidada. Ela dá de cara com um Archer sem camisa, cortando lenhas. Ele se surpreende com a bela estranha entrando em sua propriedade, querendo conversar com ele e ensiná-lo a se comunicar por sinais, já que ele é mudo!

Ela é insistente e parece não querer desistir de ter uma amizade com ele. Mas apesar da resistência dele, eles acabam tornando-se amigos! A descoberta dessa amizade e o início da confiança de um no outro é tocante!

"Eu nunca fora tão feliz na vida. Todos os dias, trabalhava na propriedade enquanto os filhotes brincavam nos meus calcanhares, arrumando confusão sempre que podiam, derrubando coisas e fazendo a bagunça típica que cachorrinhos costumam fazer.

E, toda tarde, meu coração se enchia de alegria quando ouvia o rangido do portão, avisando que Bree chegara."

Todos os dias depois do trabalho, Bree segue para casa de Archer, onde passam um tempo confortável, onde o silêncio é bem-vindo. – Eu fico imaginando a cara da Bree quando ele tira a barba enorme, que mantem há anos, e como ela reagiu!

Ao contrário do que todos na cidade pensa, Archer não é um homem selvagem! Ele é ingênuo demais, mas o que é bem plausível, já que ele está sozinho há anos, e desde o acidente que o deixou mudo, ele não tem contato nenhum com outro ser humano, a não ser seu falecido tio, que o criou.

A mudança de ambos e entre eles é visível. Archer já não é tão arisco, Bree já não é tão triste, e a amizade deles não é tão simples assim. O que era para ser fácil, torna-se intenso e imenso!

A história dos dois é contada em POV’s separados, e intercalando passado e presente de ambos, contando porque Archer ficou mudo, qual o segredo que ele guarda e também mostra o porquê Bree largar sua cidade e se mudar para um lugar novo em busca de esperança!

Eu sou COMPLETAMENTE apaixonada pela escrita da autora e por esses personagens! Bree e Archer são complementares! Eles se salvam de uma vida solitária, se curam dos ressentimentos do passado e torna o presente belo, cheio de momentos maravilhosos! A descoberta do amor que sentem um pelo outro é sofrida, dura, mas imensamente sensata, madura! Sabe aqueles amores que você tem certeza que vai durar a vida inteira?


"Acho que amor é um conceito, e cada pessoa tem uma palavra única para descrever em que o sentimento se resume para ela. A minha palavra para amor é Bree."

Archer é um dos mocinhos mais puros que já li nessa minha vida literária, e posso garantir que  é mocinho mais complexo, apaixonante e surpreendente que já li!

A dica é: se você não leu ainda, leia! E se já leu, releia sempre! Essa é minha segunda vez e estou com saudades da paz e plenitude que esse livro me trás!


"Você trouxe o silêncio, 
O som mais lindo que já ouvi, 
Porque era onde você estava."

Um beijo e até a próxima!!!


2 Comentários

  1. Olá... Amo de paixão esse livro!! Com certeza está entre meus 5 favoritos de todos! Amo os personagens e como o relacionamento deles cresce é lindo.
    Adorei sua resenha, já li três vezes, e agora quero de novo, concordo com sua descrição da paz e plenitude que ele traz.. rsrs
    Obrigada! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Teandra, obrigada você pelo carinho!
      É um livro encantador né?
      Beijos!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...